Vish Maria! Flávio Dino pode sofrer ação por improbidade administrativa

flaviodino

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), pode ter mais problemas do que imaginava com a irregularidade na composição da CCL (Comissão Central de Licitação) denunciada pela Oposição e comprovada pelo Tribunal de Contas do Estado.

Além dos processos licitatórios, certames, indicações e atos administrativos feitos na CCL, estarem sujeitos à anulação pela irregularidade constatada, o próprio governador Flávio Dino pode sofrer uma ação de improbidade administrativa.

A tese foi levantada pelos dois deputados oposicionistas do PV, Adriano Sarney e Edilázio Júnior, ao comentarem a decisão do TCE do Maranhão.

“O próprio governador tem que sofrer uma ação de improbidade administrativa, pois ele atentou contra os princípios da administração pública e ele com um ex-juiz federal nem pode alegar que não sabia disso”, assegurou Adriano Sarney.

Já Edilázio Júnior lembrou que tudo poderia ter sido evitado se o governador não tivesse, de maneira prepotente, debochado do alerta dado pelos deputados oposicionistas sobre a composição da CCL.

“O Governo pouco mostrou humildade, não quis dar o braço a torcer, o governador, como já falei, parece um pavão e não aceita críticas. Recentemente em entrevista na TV Guará, ele desqualifica a Oposição. Fala que a Oposição que existe são opositores que tiveram interesses negados ou que perderam benesses no governo. Agora deverá responder uma ação por improbidade administrativa e se condenado por improbidade, poderá até deixá-lo ficha suja e dessa forma não poder mais concorrer a cargos públicos”, declarou Edilázio.

Os oposicionistas agora aguardam um posicionamento do Ministério Público sobre a representação que protocolaram no órgão. A informação é que a ação está com a Procuradora Geral e a expectativa é que seja instaurado um processo administrativo.

Pelo visto, o que poderia ter sido um mero erro formal, devido à prepotência e arrogância do Governo, pode se transformar numa grande dor de cabeça para o governador Flávio Dino.

É aguardar e conferir.

Jorge Aragão